Notícias

Progresso na adjuvância do Câncer de Pâncreas

Agosto 2016 Quarta, 10 Agosto 2016 10:43
Avalie este item
(0 votos)

A ressecção cirúrgica é a única modalidade terapeutica curativa para o câncer de pâncreas. Infelizmente, o prognóstico é ruim mesmo para aqueles com ressecção com margens livres (R0). Diante deste cenário, diversas abordagens têm sido estudadas no contexto adjuvante ou neoadjuvante, como tentativa de aumentar as taxas de cura. Com base nos dados atuais, quimioterapia adjuvante baseada em gencitabina está indicada para os pacientes com câncer de pâncreas ressecado.

Uesaka e colaboradores* avaliaram a eficácia da quimioterapia adjuvante com S-1 na população japonesa com um estudo randomizado, multicêntrico, fase 3, de não inferioridade, comparando gencitabina (tratamento padrão na época) x S-1 (JASPAC 01). Foram incluídos pacientes portadores de carcinoma ductal invasivo de pâncreas EC I-III, sem doença residual ou com doença residual microscópica. S-1 foi administrado na dose de 40 a 60 mg, 2 vezes ao dia, por 28 dias a cada 6 semanas, num total de 4 ciclos e a gencitabina, na dose de 1000mg/m2 D1, D8 e D15 a cada 28 dias por 6 ciclos. Em relação ao desfecho primário, que foi sobrevida global, S-1 foi não inferior à gencitabina: HR 0,57 / IC 95% 0,44-0,72 / p < 0,0001 para não inferioridade e p < 0,0001 para superioridade (análise pré-planejada em caso de não inferioridade). A SG em 5 anos foi de 44,1% x 24,4% em favor do S-1. Ambos tratamentos foram associados com baixas taxas de toxicidade grau 3 ou 4, sendo o S-1 mais bem tolerado.

 

*Uesaka e cols. Lancet 2016; 388: 248-57

Comentários: O tratamento adjuvante com S-1 é eficaz e bem tolerado na população oriental. Ainda não temos evidência para extrapolar estes resultados na população ocidental. Além disso, não dispomos desta droga para comercialização no Brasil.

 

Rafael Caires Alvino de Lima, MD.

Oncologista Clínico da Multihemo/Grupo Oncoclínicas, do HC/UFPE e do Hospital de Câncer de Pernambuco. Residência em Clínica Médica na UNIFESP/EPM. Residência em Cancerologia Clínica no ICESP/FMUSP.

 

 

ACESSE ESTE ARTIGO NA INTEGRA PELA BIBLIOTECA VIRTUAL SBOC

Última modificação em Terça, 06 Setembro 2016 20:14

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Pesquisar