Notícias

Especialistas da SBOC explicam por que a obesidade é um dos principais fatores de risco de câncer Destaque

Notícias Segunda, 04 Fevereiro 2019 13:12
Avalie este item
(2 votos)

A SBOC aproveitou o Dia Mundial do Câncer, em 4 de fevereiro, para lembrar que a mudança de hábitos alimentares é a chave para a prevenção da doença, mas ainda é desafio para a maioria dos brasileiros

Manter uma alimentação saudável e equilibrada, praticar atividade física e, em alguns casos, fazer exames preventivos são orientações simples para prevenir o câncer, mas difíceis de seguir. Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), realizada em 2017, metade das pessoas ouvidas não faz exercício físico e uma em cada quatro não vê a obesidade como problema relacionado ao câncer.

O levantamento mostrou, ainda, que as pessoas sabem da importância dessas medidas, mas resistem ou têm dificuldade de mudar seu estilo de vida. “Os cuidados necessários já são conhecidos pela população, mas o medo ainda não é suficiente para a mudança de hábito. Por isso, é extremamente importante investir em prevenção e campanhas de conscientização”, afirma a Dra. Renata Gangussú, oncologista e membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).

A dificuldade de entender qual o impacto real de uma alimentação com muito açúcar ou alimentos processados também pode ser um dos motivos para postergar mudanças de hábitos. Mas qual é então a real relação entre uma alimentação com muito açúcar e câncer? “Ainda que não exista uma relação direta entre o consumo de açúcar e o desenvolvimento do câncer. O consumo em excesso pode acarretar em outras doenças crônicas, como o diabetes além de contribuir para quadro de sobrepeso e obesidade”, afirma a nutricionista e também membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Georgia de Oliveira.

“Todas as células, sadias ou cancerígenas, precisam de glicose (açúcar) para sobreviver. Mas não há um processo seletivo para que as moléculas de glicose sejam mais aproveitadas pelas células cancerígenas. Há casos específicos de cânceres com características hipermetabólicas. Isso significa que esses tumores têm um consumo ‘exagerado’ de energia, levando o indivíduo a um estado de perda nutricional maior”, explica.

Mas uma dieta rica em açúcar pode favorecer o câncer de outras formas. As mais recentes pesquisas do Fundo Global de Pesquisa sobre o Câncer (WCRF) e o Instituto Americano de Pesquisa para o Câncer (AICR) indicam que dietas baseadas em “fast food”, alimentos processados e com alto de teor de sódio e açúcar estão aumentando em todo mundo, levando ao aumento global de sobrepeso e obesidade e, consequentemente, a mais casos de cânceres relacionados à obesidade.

“Há mais de 13 tipos de câncer associados à obesidade. A diabetes tipo 2, que normalmente é desencadeada em dietas ricas em açúcar de rápida absorção, também eleva o risco de câncer. No caso da doença na mama, há um aumento de quase 20% na incidência em mulheres que têm diabetes”, destaca Dra. Cangussú.

Segundo a OMS, a quantidade de açúcar (sacarose) para um indivíduo saudável deve ser o mínimo possível, limitando-se a 25g/dia, o que representa aproximadamente 5% das necessidades calóricas. É um desafio que precisa ir além dos esforços individuais para ser superado. Por isso, o Ministério da Saúde vem tomando medidas que vão além da conscientização ao assinar acordos com a indústria para a redução de açúcar e sódio nos produtos industrializados.

 

Última modificação em Quinta, 28 Fevereiro 2019 19:37

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Pesquisar